terça-feira, 25 de setembro de 2018

Recomendação para redução do uso de plásticos aprovada por unanimidade em Santa Maria Maior

Famílias da Rua dos Lagares, 25.

Foi aprovada por unanimidade, na Assembleia de Freguesia de dia 24 de setembro, uma recomendação "para a diminuição da produção de resíduos e do consumo desnecessário e ambientalmente prejudicial de objetos descartáveis, produzidos em plástico".
Para o Bloco de Esquerda "é essencial a Freguesia de Santa Maria Maior dar o exemplo na adoção de uma estratégia que contribua para a redução da produção de resíduos", nomeadamente promovendo a substituição dos utensílios de refeição de plástico por outros "reutilizáveis, laváveis e duradouros".
A recomendação insta o executivo a tomar estas medidas "não apenas nos eventos patrocinados pela Freguesia" mas também em atividades "da iniciativa de outras entidades apoiadas pela Junta".
O órgão máximo da Freguesia de Santa Maria Maior recomendou ainda ao executivo que abandone "nos serviços da Freguesia, nas reuniões do Executivo e nas reuniões da Assembleia de Freguesia, a utilização de recipiente de plástico de água engarrafada, promovendo a utilização de garrafas de água reutilizáveis e o consumo de água da rede pública". A moção completa pode ser consultada aqui.



O eleito do Bloco de Esquerda, Fábio Salgado, fez ainda aprovar, por unanimidade, uma moção para "divulgação do serviço Porta-a-Porta". A moção completa pode ser consultada aqui.


Foi aprovada ainda, com o voto contra do CDS, uma moção de "Saudação à Manifestação pela Habitação", que será enviada às 49 entidades organizadoras. A moção revela que na manifestação de 22 de setembro "participaram várias famílias dos bairros da freguesia" e que "a presença das famílias da Rua dos Lagares não deixa dúvidas de que esta manifestação foi um grito popular, coletivo, para que se regule o mercado de arrendamento, protegendo as famílias inquilinas". Durante o debate desta moção - e perante o voto favorável da maioria - o eleito do Bloco defendeu que o executivo deveria ter participado na organização da manifestação, "ter participado e ter estado na linha da frente, com as moradoras e moradores da freguesia". A moção completa pode ser consultada aqui.

A sessão ordinária da Assembleia contou com a intervenção do público, nomeadamente de uma moradora da Rua da Prata, com 72 anos, ex-inquilina do grupo Fidelidade, que teme ser expulsa e que se queixa de falta de apoio da Junta e da Câmara Municipal de Lisboa, bem como de uma moradora de 75 anos, da Rua Augusta, que já recebeu uma carta de oposição à renovação do contrato.

0 comentários:

Enviar um comentário